Perguntas ao Yves Shoshin Crettaz

Mestre do Dojo

Como surgiu a meditação zen na sua vida?

Encontrei o zen relativamente tarde, tinha 40 anos. Nessa altura praticava yoga e o nosso professor dirigia sempre uma breve meditação no início da sessão. Mandava-nos visualizar, por exemplo, um pôr-do-sol num lago de montanha, o que não me agradava nada. Então fui ao dojo zen de Lausana na Suíça, a cidade onde vivia, para conhecer esse zen que eu tinha descoberto através das minhas leituras. Mas a minha intenção era não fazer senão alguns zazen para poder a seguir integrar esta prática nas minhas sessões de yoga. Mas isto não aconteceu assim, Desde que me sentei no dojo de Lausana, soube com evidência que tinha encontrado a prática que eu queria continuar toda a minha vida.

O que mudou na sua vida após várias décadas de prática?

Nada. E tudo. Nada, porque continuo a viver normalmente todas as minhas fraquezas como qualquer um. Tudo, porque pus a minha prática do zen no coração da minha vida. Esta tornou-se mais leve e verdadeiramente feliz.

Como veio parar a Portugal?

Em 1997 vim estabelecer-me em Lisboa para ajudar o meu mestre Raphaël Doko Triet na criação do Dojo zen de Lisboa e de outros grupos de zazen no país. Em 2005 o meu mestre voltou a viver em Paris e confiou-me a responsabilidade do dojo.

Porquê iniciar uma prática meditativa?

Para se (re)encontrar a si próprio. Cada homem, em certos momentos da sua vida, interroga-se sobre o sentido da sua existência e sobre uma maneira de vida menos agitada. A meditação traz o apaziguamento do corpo e do espírito. Mas zazen não é uma técnica de bem-estar. É uma prática da Via do Buda que consiste em se conhecer a si mesmo esquecendo-se de si mesmo naquilo que fazemos aqui e agora, não em oposição ou em concorrência mas em harmonia com todos os seres.

Porque escolheu esta forma de meditação e não outra?

Sentar-se sem mexer e em silêncio estando apenas concentrado na postura e no vaivém harmonioso da respiração: é este «voltar às condições normais do homem», como dizia o mestre Taisen Deshimaru, que logo  me atraíu.

O zen é uma religião?

Mestre Deshimaru dizia: «O zen é a religião de antes das religiões». Cada um pode praticar zazen qualquer que seja a sua religião, a sua cultura, as suas opiniões. Poderíamos dizer: o zen é a religião do instante presente plenamente vivido.

Inscreva-se para receber todas as nossas comunicações sobre a vida no dojo e o que está para vir!

    Privacy Settings
    We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
    Youtube
    Consent to display content from Youtube
    Vimeo
    Consent to display content from Vimeo
    Google Maps
    Consent to display content from Google